Facebook       Twitter

Verba extra da Caixa para MCMV chega a R$ 227 milhões

0

A Caixa liberou R$ 227 milhões adicionais para a conclusão de obras do programa MCMV (Minha Casa Minha Vida) desde agosto de 2016, segundo dados obtidos via Lei de Acesso à Informação.

Foi nesse mês em que o banco começou a contabilizar a destinação de verba extra do FAR (Fundo de Arrendamento Residencial) para os empreendimentos.

Se não tivesse sido usado de forma complementar, o montante poderia ser destinado a novas contratações. É o FAR que financia imóveis da faixa um, de baixa renda.

O objetivo do governo é contratar cem mil unidades nessa categoria até o fim do ano. Após o anúncio de 54 mil imóveis na última segunda (6) pelo Ministério das Cidades, ainda restam cerca de 8 mil para a meta ser cumprida.

Procurada, a Caixa não respondeu perguntas. Disse apenas que é necessário usar recursos do fundo quando o contrato com construtoras são rescindidos ou quando há imprevistos, que independem da empresa envolvida.

Um dos motivos que levam à suplementação são danos causados em caso de invasão, afirma Ronaldo Cury, diretor da construtora homônima e vice-presidente do Sinduscon-SP (sindicato do setor).

Mesmo com a suplementação do fundo, uma parte do prejuízo costuma ser pago pelas empresas, afirma Rodrigo Luna, vice-presidente do Secovi-SP e sócio-fundador da Plano & Plano.

“É um problema que afeta a todos, e como é a Caixa que administra os recursos, quem também paga é o cidadão cadastrado no programa que precisa de habitação e sofre com os atrasos.”

*

Setor de máquina para construção deverá ter pior ano desde 2007

Equipamentos usados na construção e na mineração, como escavadeiras, deverá encerrar 2017 com uma queda de 9% no acumulado do ano, segundo a Sobratema (do setor).

Será a quarta retração anual consecutiva de máquinas da chamada linha amarela, segundo Eurimilson Daniel, vice-presidente da entidade.

“O mercado recuou mais de dez anos. Em 2007, as vendas somavam quase 11 mil equipamentos. A expectativa é que 2017 seja o rescaldo da crise, e que, no ano que vem, tenhamos crescimento, estimado em 8%”, diz ele.

“Uma conjunção de fatores [causou a crise prolongada no setor]. Os juros ficaram altos e os bancos deixaram de financiar. Os donos das máquinas as colocaram à venda, o que rebaixou muito os preços de seminovos.”

A unidade de equipamentos para construção da Case projeta uma retração de 10% neste ano, mas os resultados no segundo semestre já demonstram melhora, afirma Carlos França, à frente da divisão no país.

” A nossa previsão é de crescimento de 5% a 10% em 2018, alinhada à do setor.”

Para mitigar os prejuízos do mercado interno, a Case aumentou o número de países que recebem os produtos produzidos no Brasil e passou a exportar para Rússia, Índia, Tailândia e Austrália.

*

Subir paredes

Empresas ligadas ao setor imobiliário aumentaram a intenção de investir ao longo deste ano, aponta pesquisa do GRI Club, grêmio que inclui companhias como Iguatemi, Brookfield e fundos que atuam no setor.

A porcentagem dos que pretendem expandir os negócios é de 69%, alta de 12 pontos percentuais comparada a 57% que afirmaram que fariam aportes no começo do ano.

O estoque de imóveis vazios é alto, mas os investimentos que são feitos agora serão concretizados em até cinco anos, diz Gustavo Favaron, diretor-executivo do GRI.

“Ninguém espera filas nos lançamentos e que um prédio inteiro seja vendido em um dia, como em 2012, mas há demanda para ser absorvida gradualmente. Os juros para financiar estão baixos, o fundo do poço ficou para trás.”

A pesquisa, com respostas de 157 empresas, aponta que o setor residencial é o que mais deve receber valores.

tijolocomtijolo

[…]

Fonte: Folha de S. Paulo

Share.

About Author

Leave A Reply

Powered by themekiller.com